Cuiabá

Obra do aeroporto fica mais cara e contrato é prorrogado

A Secretaria de Estado de Cidades (Secid), publicou no Diário Oficial de Contas que circulou ontem, dois aditivos à obra do Aeroporto Marechal Rondon. A conclusão que está prevista para o próximo mês recebeu aditivos de valores e de prazo. Com o aumento, a obra passa a custar mais de R$ 86 milhões.

Uma das publicações é referente ao décimo nono termo aditivo nº 065/2012/01/19/Secopa/ Secid tendo como objeto a contratação de empresa para realização de obras e serviços de engenharia relacionados ao Aeroporto Internacional Marechal Rondon. “Fica acrescido ao referido contrato o valor de R$ 1.445.428,87 e suprimido o valor de R$ 16.305,52, totalizando assim um reflexo positivo de R$ 1.429.123,35 (…) O preço contratual ajustado é de R$ 86.545.981,33”, confirma trecho.

Outro aditivo, que tem o mesmo objeto de contrato, acrescenta mais prazo a obra, neste quesito, já é o vigésimo aditivo. “O presente termo aditivo tem a finalidade de aditar o prazo de execução e vigência do Contrato nº 065/2012/00/00/ Secopa/Secid. Fica acrescido ao prazo de execução 61 dias, que se encerrará no dia 31/12/2017. Adita-se ao prazo de vigência 60 dias, cujo termino será em 28/02/2018”, destaca.

A obra vem sendo executada pelo Consórcio Marechal Rondon e deveria estar pronta para a Copa do Mundo de 2014. A promessa feita no mês passado pelo secretário de Estado de Cidades Wilson Santos é que cinco obras devem ficar prontas até dezembro. Dentre elas, o Aeroporto Marechal Rondon.

Concluído, o terminal aeroportuário deve ainda ser concedido à iniciativa privada. Oito empresas ou consórcios já estão autorizadas a apresentarem projetos, levantamentos, investigações e estudos técnicos que subsidiarão a modelagem das concessões para expansão, exploração e manutenção do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, e dos aeroportos regionais de Rondonópolis, Sinop, Barra do Garças e Alta Floresta. A lista foi publicada pelo governo federal, no Diário Oficial da União (DOU) no início do mês.

O prazo para realização do estudo é de 120 dias. Após, o levantamento será entregue ao Ministério dos Transportes, Aviação Civil e Portos (MTPA). A intenção de concessionar as cinco unidades aeroportuárias mato-grossenses à iniciativa privada, por um período determinado, é melhorar a qualidade do atendimento aos usuários.

O aeroporto que figurava entre os piores do país, chegando a ser considerado o pior, já começa a ter resultados positivos. Em outubro passado, pesquisa de Satisfação do Passageiro realizada trimestralmente pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Ministério dos Transportes mostrou o aeroporto subiu duas posições em relação a pesquisa do trimestre anterior, quando também havia melhorado o status e alcançado a 14ª colocação dos 15 terminais listados.

Na última pesquisa o Marechal Rondon figurou em 12º na lista, que é liderada pelo terminal de Viracopos (SP). O crescimento do terminal foi de 19% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o documento. Neste terceiro trimestre de 2017, aeroporto teve avaliação final em 4,22, sendo 5 a pontuação máxima. (AA)

Fonte: Diário de Cuiabá

Fonte: | 01/12/2017